Millenium é tema de audiência pública

Iwwa Agência
Publicado 29/05/2012 02:05:37

No sábado (02/06), o Ministério Público da Bahia, através da 5ª Promotoria de Justiça da Comarca Camaçari, realiza audiência pública com os moradores da localidade de Areias para divulgar o laudo técnico em relação às atividades da empresa Millennium Inorganic Chemicals do Brasil S/A. O encontro acontece na Escola Municipal Tomás Camilo, a partir das 9h.

De acordo com o promotor ambiental, Luciano Pitta, a audiência pública tem o objetivo de apresentar a conclusão do inquérito civil nº 25/2009/MA, que versa sobre eventuais danos ambientais provocados pela empresa Millennium na localidade de Areias.

Em 2009, a comunidade de Areias prestou queixa no Ministério Público (MP) pedindo a retirada da fábrica da localidade. Desde então, o órgão investiga a situação da fábrica. A Fundação José Silveira, conveniada ao MP, é a responsável pela realização de perícias na área e pela redação do laudo técnico que será apresentado à população.

O promotor Luciano Pitta afirma que além do laudo oferecido pela Fundação José Silveira, ele solicitou a colaboração da Central de Apoio Técnico do MP (CEAT), setor formado por profissionais de diversas áreas, a exemplo de engenheiros civis, ambiental e sanitário, químicos e biólogos.

A demora na conclusão se deu por causa da complexidade da investigação, que necessitou de coletas de amostras em diversos períodos climáticos. O laudo, já concluído, passou por avaliação da CEAT.

Segundo Luciano Pitta, essa será a terceira e última audiência realizada com os moradores para tratar do assunto. Na ocasião, os técnicos da CEAT e da Fundação José Silveira irão esclarecer possíveis dúvidas dos moradores.

Além disso, a audiência contará com a presença de um médico, pois foram feitas denúncias de doenças em moradores, causadas por eventuais contaminações provocadas pela fábrica, questão que também será esclarecida no encontro.

Com o resultado do laudo técnico, o Ministério Público poderá agir de três formas. Pedir o arquivamento do inquérito civil, se não for constatado danos ambientais, entrar com Ação Civil Pública, se comprovado os danos ambientais, ou fazer um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com a fábrica. O TAC, um acordo firmado entre o Ministério Público e o degradador, tem como objetivo a realização de medidas compensatórias pelo dano causado.

A Millennium está instalada em Camaçari há mais de 30 anos e é responsável pela produção de dióxido de titânio, utilizado para dar cor, brilho e opacidade para tintas, plásticos, papel, borracha, entre outros.

 

Foto: Nelinho Oliveira

Promotor de Justiça de Camaçari, Luciano Pitta -

Mais Notícias

Palestras marcam abertura da 11ª Conferência dos Direitos da Criança e do Adolescente

Palestras marcam abertura da 11ª Conferência dos Direitos da Crianç...

Defesa Civil e construtora se reúnem com comerciantes da Avenida Rio Camaçari

Defesa Civil e construtora se reúnem com comerciantes da Avenida Ri...

Paralisação dos servidores municipais impacta na vacinação contra Covid em Camaçari

Paralisação dos servidores municipais impacta na vacinação contra C...

Pressione enter para começar a busca ou Esc para fechar a janela.

AFFPAY AFFPAY Signup AFFPAY Loginp AFFPAY Affiliates Terms AFFPAY Advertisers Terms AFFPAY Privacy Policy AFFPAY FAQ AFFPAY Contact us