Secretários de Saúde se reúnem com Estado para discutir reforma do HGC

ASCOM
ASCOM
Publicado 04/09/2019 12:09:04

Os secretários de Saúde dos municípios de Camaçari, Pojuca, Conde, Mata de São João, Dias d’Ávila e Simões Filho, este último através de representante, se reuniram nesta terça-feira (3/9) com a subsecretária de Saúde do Estado da Bahia, Tereza Cristina, para discutir a reforma da emergência do Hospital Geral de Camaçari, que é referência para 26 municípios.

De acordo com o secretário de Saúde de Camaçari, Elias Natan, este é o segundo encontro com a subsecretária para discutir estratégias que minimizem o impacto da reforma no sistema de urgência e emergência das cidades atendidas pela unidade hospitalar.

“No nosso primeiro encontro, apresentamos a nossa preocupação com a reforma que iria começar, até onde nós tínhamos conhecimento, sem um plano de ação para evitar um impacto negativo sobrecarregando as unidades de urgência e emergência dos municípios. Hoje retornamos aqui para o Estado nos apresentar este plano de ação”, explica Elias Natan.

Durante a reunião, ficou acertado que nas próximas semanas o Estado apresentará o plano de ação do fluxo de atendimento dos pacientes durante o período da reforma que começará de 40 a 60 dias após a conscientização da população quanto aos pacientes de urgência e emergência que devem ser atendidos no HGC e os que devem ser atendidos nas unidades de urgência e emergência dos municípios, como UPAs e PAs.

Existem quatro tipos de pacientes de urgência e emergência classificados por cores de classificação de risco. Os pacientes com classificações verdes e azuis devem ser atendidos nas unidades municipais de urgência e emergência. E os pacientes amarelos e vermelhos no HGC e UPAs e PAs do município. “Nós municípios faremos um trabalho de conscientização junto à população sobre esse fluxo antes do Estado iniciar a reforma”, afirma Elias Natan.

Confira a tabela de classificação de risco:

VERMELHO: Caso gravíssimo. O paciente necessita de atendimento imediato e possui risco de morte. Ou paciente precisa de atendimento o mais prontamente possível. Esses pacientes devem ir para emergência do HGC ou uma UPA.

AMARELO: Caso de gravidade moderada, não considerada como emergência, pois o paciente possui condições clínicas para aguardar. Esses pacientes devem ir para emergência do HGC ou uma UPA ou PA.

VERDE: Caso menos grave. Exige atendimento médico, mas o paciente pode ser assistido no consultório médico, de forma ambulatorial em Unidades Básicas de Saúde ou Unidades de Saúde da Família.

AZUL: Caso de menor complexidade e sem problemas recentes. O paciente deve ser atendido e acompanhado no consultório médico, no formato ambulatorial. Esses pacientes devem procurar atendimento ambulatorial em Unidades Básicas de Saúde ou Unidades de Saúde da Família.

Mais Notícias

Verdes Horizontes recebe oficina de participação social para revisão no PDDU

Verdes Horizontes recebe oficina de participação social para revisã...

Palestra marca o Dia do Auditor Interno

Palestra marca o Dia do Auditor Interno

Novembro da Diversidade tem início e lota o Foyer do Teatro Cidade do Saber

Novembro da Diversidade tem início e lota o Foyer do Teatro Cidade ...

Pressione enter para começar a busca ou Esc para fechar a janela.