Reunião debate ameaças à produção de glifosato

Iwwa Agência
Publicado 17/05/2010 03:05:59

O prefeito Luiz Caetano declarou nesta segunda-feira (17/05), apoio às empresas e funcionários do Pólo Industrial de Camaçari, que trabalham com a produção do glifosato intermediário e sofrem ameaça desleal de empresas chinesas, que reduziram o preço do produto importado para o Brasil. Conhecida como dumping, a ação compromete a permanência das empresas locais no mercado e pode, inclusive, causar desempregos.

A colaboração do prefeito Caetano foi discutida em reunião com o superintendente geral do Cofic (Comitê de Fomento Industrial de Camaçari), Mauro Pereira, o gerente geral da fábrica da Monsanto, Gilmar Beraldo e representantes do Sindicato dos Químicos e Petroleiros da Bahia, Alfredo Santos e Maurício Jansen. Na ocasião, eles apresentaram ao prefeito o estudo sobre as ameaças à produção de glifosato na Bahia.

A questão conta também com o apoio do governador do Estado, Jaques Wagner. A expectativa é de que o assunto seja discutido no dia 26 de maio, durante reunião da Câmara de Comércio Exterior (Camex), em Brasília, com a participação de sete Ministérios.

As empresas que compõem a cadeia produtiva de glifosato intermediário e o Sindicato dos Químicos e Petroleiros solicitam ao Camex que seja estabelecido um preço de referência para o glifosato ácido de US$ 4,60 por quilo, no intuito de proporcionar uma concorrência justa. “Não queremos privilégios, o pleito é de ter ao menos a possibilidade de igualdade de concorrência com a China”, esclareceu Mauro Pereira.

Na opinião do gerente geral da fábrica da Monsanto, Gilmar Beraldo, o apoio do prefeito Caetano é muito importante. “Ele está engajado na causa, sabe do problema e está sensível a ajudar”. Segundo Beraldo, a China baixou o preço do quilo do ácido de US$ 12,00, em 2007, para US$ 3,06, este ano. Além disso, o governo chinês aumentou o incentivo à exportação pago às empresas. O benefício passou de 5% para 9%, em maio de 2010.

De acordo com o Cofic, se nada for feito para defender a cadeia produtiva haverá conseqüências graves. O risco é de prejuízos financeiros para mais de 30 empresas do Pólo Industrial, o fechamento da fábrica da Monsanto e de unidades da Braskem, Oxiteno e Copenor, redução em mais de R$ 200 milhões de arrecadação de impostos e, principalmente, o desemprego de mais de 2 mil funcionários.

Para Alfredo Santos, sindicato dos Químicos e Petroleiros, o importante é enxergar o problema como um todo. “O papel do Sindicato não é a visão econômica, mas o impacto social que teria na cadeia produtiva devido ao fechamento das unidades das fábricas”.

Foto: Carol Garcia

Caetano debate as ameaças à produção de glifosato na Bahia -

Mais Notícias

Boletim Epidemiológico de Camaçari – 12 de abril de 2021

Boletim Epidemiológico de Camaçari – 12 de abril de 2021

STT inicia semana com retomada de vistorias de táxis

STT inicia semana com retomada de vistorias de táxis

Sesp faz visita técnica na Av. Camaçari para tratar sobre iluminação

Sesp faz visita técnica na Av. Camaçari para tratar sobre iluminação

Pressione enter para começar a busca ou Esc para fechar a janela.